O Prêmio FOCO Bradesco ArtRio tem como objetivo fomentar e difundir a produção de artistas visuais emergentes, com até 15 anos de carreira. Em sua terceira edição, foram selecionados três artistas brasileiros: Beto Shwafaty, Carla Chaim e Carlos Mélo. Eles tiveram a oportunidade de participar de residências artísticas, com bolsas para se dedicarem exclusivamente às suas pesquisas durante o período de seis semanas, em três importantes instituições do cenário atual. Além de individuais nesses espaços, o trio também expôs na ArtRio 2015, em um stand especial do prêmio.

A seleção dos vencedores foi feita por um Comitê Curatorial independente que tem direção de Bernardo Mosqueira e a participação de Isabel Portella (Galeria do Lago), Fernanda Brenner (Pivô) e Sally Mizrachi (Lugar a Dudas). Os ganhadores foram divulgados no dia 9 de setembro de 2015, na abertura para convidados da feira.

Júri / Residências

Premiados

Carlos Mélo

Nasceu em 1969, em Riacho das Almas, Pernambuco. Atualmente vive e trabalha no Recife. Sua pesquisa artística investiga o lugar que o corpo ocupa no mundo através de performances, esculturas, fotografias e instalações. Com várias formações e pesquisas no ramo das artes e filosofia, desenvolve uma atividade artística regular de âmbito nacional e internacional. Expõe regularmente em circuitos institucionais e em galerias. Foi premiado em diversos salões de arte nacionais, e em 2006 recebeu com o Prêmio CNI Marcantonio Vilaça para as artes visuais.



Carla Chaim

Nasceu em 1983, em São Paulo, onde vive e trabalha. Carla Chaim é formada em Artes Visuais pela Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP, 2004, onde também realizou a Pós-graduação em História da Arte, 2007. A artista trabalha diferentes mídias como desenho, escultura, vídeo e instalação. Chaim tenta se aproximar de uma ampla escala de assuntos cotidianos, trazendo-os para seu atelier e repensando novas formas e novas relações. A artista tem o desejo de controlar seus trabalhos, tanto em regras pré-estabelecidas na execução, quanto de seus movimentos físicos durante a feitura de um desenho, trazendo o corpo como importante instrumento neste processo, também pensando-o como local de discussão conceitual explorando seus limites físicos e sociais. A artista não trabalha pensando no resultado final. O que lhe interessa são os movimentos, passos e processos de cada trabalho. Carla define regras e parâmetros e segue com eles até o final. Os trabalhos de Chaim não contam histórias, elas são o próprio fazer, combinando sistemas dicotômicos: regras rígidas e movimentos físicos orgânicos.



Beto Shwafaty

Nasceu em 1977, em São Paulo, onde vive e trabalha atualmente. Beto Shwafaty é artista e pesquisador. Ele esteve envolvido com práticas coletivas, curatoriais e espaciais desde o início da década de 2000, e como resultado, ele desenvolve uma prática baseada em pesquisas sobre espaços, histórias e visualidades na qual procura conectar formalmente e conceitualmente questões políticas, sociais e culturais convergentes ao campo da arte.