ArtRio

Chico Fortunato e linhas que flutuam

A Mul.ti.plo Espaço Arte inaugura, no dia 18 de abril, a individual “Linhas que Flutuam”, com pinturas recentes que o artista carioca, Chico Fortunato. A exposição reúne 20 trabalhos inéditos, em acrílica sobre tela, com tamanhos que variam de 50 x 50 cm a 140x210 cm.

"A ideia desta série, que começou a ser desenvolvida em 2013, é uma desconstrução do perímetro do quadro. Esta linha imaginária aparece dentro da pintura, fragmentada em segmentos. Ora saindo dos vértices, ora das laterais, fazendo um contraponto com a cor predominante que, para o observador, é o fundo onde as linhas flutuam. A cor das linhas é construída entre camadas; incluindo, em alguns trabalhos, o próprio suporte (tela de linho ou algodão...) que passam também a ser elemento da pintura”, explica o artista.

Para o consultor de arte da Mul.ti.plo, Maneco Muller, “As últimas pinturas de Chico Fortunato põem um ponto final nas fronteiras do quadro. Deflagra uma explosão de linhas, detona suas próprias margens que passam a construir flutuando nas cores, agora como nunca densas e livres, novos e expandidos espaços de reflexão”.

A mostra vai até o dia 20 de maio. A Mul.ti.plo Espaço Arte fica na Rua Dias Ferreira, 417/sala 206 – Leblon. Funcionamento: de segunda a sexta, de 10h às 18h30; e sábado, das 10h às 14h. Entrada gratuita.

Sobre o artista

O artista e designer, Chico Fortunato formou-se em Geografia pela PUC-RJ, e, em seguida, viajou pela América Latina; o que originou a sua primeira série de trabalhos “Postais” e “Litho-imagens”, em aquarela e pintura sobre pedra que mostrou em três individuais: na Paulo Figueiredo Galeria de Arte, São Paulo, em 85, e na Galeria Artespaço em 87 e 90, no Rio.

Durante sete anos, residiu na Holanda e, a partir daí, voltou a sua pintura sobre tela e madeira. Fez exposições individuais na Galerie Domplein, em Utrecht, na Galerie Cacco Zanchi, Aalst e Bruxelas e em 1998, na Galerie Debret, Paris. Também participou de coletivas no Porto, Londres, Amsterdam, Soest e Stuttgart (Prêmio Syrlin). Em 1999, Chico retornou ao Brasil e no ano seguinte fez a individual, “Acrílicos”, no Estudio Guanabara, RJ.

A partir de 2005, Fortunato (que já trabalhava com a madeira como suporte) começou a desenhar móveis, atividade que se integrou perfeitamente com sua pintura. Em 2010, expôs no Centro de Arte Hélio Oiticica, na mostra “Confluências”. E em 2012, fez uma individual no Gustavo Rebello Arte, no Rio e lançou um livro sobre suas pinturas pela Contracapa, RJ. Em 2014, expôs no MAM-RJ, na mostra “Últimas Aquisições”, da Coleção Gilberto Chateaubriand. Em 2016, participou da exposição "Ao Amor do Público I - Doações da ArtRio 2012-2015 e MinC - Funarte", no Museu de Arte do Rio (MAR).