ArtRio

Miquel Barceló na Pinakotheke Cultural

Quem passa pela Rua São Clemente, em Botafogo, já pode ver na porta da Pinakotheke Cultural, o emblemático elefante de bronze apoiado pela tromba de Miquel Barceló, que ocupou em 2011 a Union Square, em Nova York. A galeria, apresenta a primeira individual do artista plástico catalão com 20 obras recentes, além de trabalhos emblemáticos, entre pinturas e esculturas, com a curadoria de Max Perlingeiro.

A mostra também terá dois filmes: "Mar de Barceló", especialmente produzido durante a execução da cúpula das nações da ONU (na qual ele imprimiu o fundo do mar), e "Paso Doble", referência ao processo criativo das cerâmicas, que produz seu ateliê em Palma de Maiorca. Para compreender o processo do artista, montou-se também um “gabinete de curiosidades”, com elementos e objetos pessoais que nunca haviam saído de seu ateliê parisiense, portanto, inéditos para o público.

Dentre as pinturas apresentadas na exposição estão pinturas de frutas e também os quadros brancos, feitos somente com esta cor, mas com texturas diferentes, que formam diversos desenhos. “Como se pode ver, cada nova camada apaga, mas também deixa uma transparência. Estes quadros são cada vez mais sintéticos, cada vez há menos coisas, e estão mais apagados. Há muitas camadas de pintura, tornando-se espesso no centro, tudo acontece por baixo, é quase invisível, conta o artista em entrevista ao crítico de arte, Adriano Pedrosa.

As cerâmicas são outro destaque da trajetória do artista. Se a experiência com a pintura está presente desde o início de sua obra, o interesse pela cerâmica começou em Mali, em 1995. Desde então, o artista dedicou-se a aprender técnicas em Maiorca, França e Itália e a cerâmica tornou-se um dos suportes fundamentais de sua produção. “O artista trabalha com a imperfeição da matéria. É um trabalho solitário e bruto onde ele não admite colaboração. São obras autorais. Uma luta incessante entre o homem e a matéria. O artista explora ao máximo o imprevisível e depois recobre com desenhos ou fuligem do resíduo das chaminés, onde um novo processo se inicia”, diz Max Perlingeiro.

A mostra que já passou pela sede paulista do espaço, continua no Rio de Janeiro até 9 de novembro, quando segue para Fortaleza. A Pinakotheke Cultural fica na Rua São Clemente 300, Botafogo. Funcionamento de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h, e aos sábados, das 10h às 16h. A entrada é gratuita.